Quem é o turista estrangeiro que visita o Brasil

aviao

Um estudo realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), apurou, entre outros dados, a procedência, perfil, gastos, principais destinos, motivação da viagem e grau de satisfação do turista internacional. Foram ouvidos mais de 31 mil viajantes em 15 aeroportos e 10 postos de fronteira terrestre. A pesquisa traz informações sobre o perfil e hábitos do turista estrangeiro que visitou o Brasil em 2012. 

O Brasil recebeu um número recorde de turistas estrangeiros no ano passado, o levantamento revela que 5,67 milhões de estrangeiros visitaram o país em 2012. A Argentina se mantém na primeira posição como emissor, com 29% dos turistas que visitam o Brasil (1,67 milhão), seguida pelos Estados Unidos (586 mil). A Alemanha, com 258 mil visitantes ultrapassou o Uruguai (253,8 mil) e conquistou a terceira colocação. Os maiores emissores de turistas residem na América do Sul (50%), seguidos pelos europeus (29%) e norte-americanos (13%).

Os europeus são os turistas que mais tempo permanecem no país (23,7 dias em média), mais que o dobro dos sul-americanos (10,7 dias). Os europeus são também os que mais gastam: os espanhóis ocupam a primeira posição (US$ 1.703), seguidos pelos portugueses (US$ 1.582) e franceses (US$ 1.582). Os argentinos gastam em média US$ 648.

A maior parte dos turistas estrangeiros tem nível superior (43,5%), renda familiar mensal de US$ 4.639 e chega ao Brasil de avião (70%). A internet é a principal fonte de informação para a maioria deles (33,6%).

A maioria vem a lazer (46,8%), uma parcela menor, porém importante pela média de gastos no país, vêm a negócios (25,3%) e os demais chegam ao país para visitar parentes, destinos religiosos, fazer cursos e compras (27,9%). Em comum, os turistas estrangeiros têm a satisfação com a experiência de viagem ao Brasil. A maioria (84,5%) declarou que a viagem atendeu plenamente ou superou suas expectativas, de modo que 95,7% afirmou que pretende voltar ao país.

A intenção de retorno se explica pela boa avaliação dos principais serviços turísticos. Os serviços mais bem avaliados são a hospitalidade do povo (97,7%), os sabores da gastronomia (95,5%) e a hospedagem (93,2%). Os serviços com menor grau de satisfação são os preços de produtos e serviços (56,1% de aprovação), a telefonia (67,7%), as rodovias (70%) os aeroportos (73%) e a sinalização (76,5%).

O gasto nas viagens de negócios é quase o dobro (US$ 1.599) das viagens de lazer (US$ 877). Os destinos mais visitados a lazer são Rio de Janeiro (29,6%), Florianópolis (18,1%) e Foz do Iguaçu (17,3%) e o ranking das três cidades que mais recebem turistas de negócios é composto por São Paulo (48,3%), Rio de Janeiro (23,9%) e Curitiba (4,4%).

Meios de Hospedagem

A maioria dos turistas se hospeda em hotéis (52,1%) e casas de amigos e parentes (27,4%). Mas há um crescimento consistente de hospedagens alternativas, como casas alugadas (de 8% para 11,9% nos últimos seis anos); de camping ou albergues (de 2,4% para 4,9% no mesmo período).

O turista estrangeiro está cada vez mais interessado em hospedagens alternativas, de acordo com estudo. Do total de visitantes internacionais (5,67 milhões) que estiveram no país no ano passado, estima-se que quase a metade deles (44,2%), ou seja, 2,5 milhões escolheram esse tipo de hospedagem.

Os albergues e camping (4,9%) abrigaram 278,1 mil estrangeiros, as casas alugadas (11,9%) outros 675,4 mil e as casas de amigos e parentes (27,9%) mais 1,58 milhões de visitantes. As hospedagens alternativas estão ocupando o espaço daqueles meios que estão cobrando preços acima da média.

De acordo com o estudo, 718,7 mil turistas argentinos e 287,3 mil americanos escolheram esses meios para se hospedar. Esses números representam 43% do total de argentinos e 49% dos americanos que estiveram no Brasil em 2012.

Hospedagem simples e regularizada – O sistema de cadastro dos prestadores de serviços turísticos do MTur (Cadastur) revela que os proprietários e prestadores de serviços turísticos de hospedagem simples, do tipo albergues e cama e café, estão se movimentando para operar regularmente no país.

Em 2010 eram apenas 27 hospedagens do tipo cama e café registradas. No ano passado, esse número passou para 71, um aumento de 162% em dois anos. O número de albergues atuando de forma regular também cresceu. Havia apenas 65 unidades cadastradas em 2010. No ano passado, o número passou para 79, um incremento de 21% em dois anos.

Recorde de turistas argentinos

Argentina foi responsável por enviar 1,67 milhão de turistas ao país. O gasto per capita dos argentinos, de US$ 647,90, também foi o maior dos últimos anos. Líder no ranking de emissores de turistas para o Brasil, que enviou um número recorde de visitantes que representam 30% de todo o contingente de estrangeiros no país e também a maior movimentação destes vizinhos desde 2003.

O número de turistas argentinos superou o de americanos, alemães, uruguaios, chilenos e paraguaios somados, um universo de 1,59 milhão de pessoas. Ultrapassou também a soma de visitantes oriundos de países europeus, que foi de 1,65 milhão no ano passado.

O gasto per capita dos argentinos, também foi recorde, perdendo somente, entre os sul-americanos, para os chilenos que gastaram US$ 791,87. Mesmo assim, o volume de gasto médio dos turistas dos países vizinhos, de US$ 681, é menor do que o de europeus e norte-americanos que permanecem mais tempo no país e gastam o dobro.

A maioria dos argentinos (855,4 mil) entrou no Brasil por via terrestre. Na comparação com 2011, o percentual de turistas argentinos no país acrescentou 4,8%, o equivalente a 77,8 mil viajantes.

Mais turistas alemães

Alemães ultrapassaram uruguaios e ocupam o terceiro lugar entre os países emissores de turistas no Brasil. O maior grupo (37%) vem à procura de natureza, ecoturismo e aventura.

O País recebeu 258,4 mil turistas alemães no ano passado, os europeus são turistas especiais porque permanecem mais tempo no país e possuem o maior gasto per capita (US$ 1.270) e o tempo de permanência médio é de 21,7 dias.

Muitos dos alemães (37%) vêm à procura de natureza, ecoturismo e aventura, outros 34% procuram sol e praia. A cidade mais visitada (53%) é o Rio de Janeiro. As melhorias de atendimento e infraestrutura dos hotéis do Rio, a pacificação da cidade e os investimentos no parque Tijuca certamente melhoraram a imagem da cidade e do Brasil, atraindo os turistas alemães.

Os meios de hospedagem mais utilizados pelos alemães foram hotel, flat ou pousada (47%). Casas de amigos e parentes também hospedaram os turistas alemães (35%). A maioria dele viaja sozinha (48%), uma parcela menor corresponde a viagens de casal sem filhos (17,5%), um número reduzido equivale a famílias (13,5%) e um percentual ainda menor, a amigos (11,8%). Ainda segundo o estudo, para 59% dos visitantes a viagem foi satisfatória.

São Paulo se mantém líder no turismo de negócios

A capital paulista recebeu 48,3% dos estrangeiros para este fim, Brasília foi à cidade que mais cresceu, ampliando em 46% o número de visitantes que vieram ao País a negócios.

O Rio de Janeiro, com 23,9% aparece como o segundo destino de negócios do País, seguido por Curitiba (4,4%) e Porto Alegre (4,1%). Embora registre o maior aumento no percentual de turistas recebidos, na comparação com 2011, Brasília ocupa a quinta posição no ranking com a fatia de 3,8%. As demais cidades colocadas na lista dos dez maiores receptores de turistas estrangeiros a negócios são Belo Horizonte (3,5%), Campinas (3,5%), Foz do Iguaçu (2,9%), Salvador (2,8%) e Fortaleza (2,1%).

Rio de Janeiro é a primeira cidade em turismo de lazer

Quatro das dez cidades brasileiras que mais atraíram turistas estrangeiros a lazer são fluminenses. A busca por lazer foi a principal motivação dos estrangeiros que estiveram no Brasil em 2012. O litoral, o turismo de aventura e o patrimônio cultural brasileiro atraíram 46,8% dos 5,67 milhões dos visitantes internacionais, sendo que o Rio de Janeiro foi a cidade mais visitada.

O Rio de Janeiro é o estado brasileiro com o maior número de cidades entre as dez que mais receberam turistas a lazer no País. Além da capital, que recebeu 29,6% dos turistas estrangeiros, estão na lista Armação de Búzios (7,9%), Angra dos Reis (4,7%) e Paraty (3,5%).

O estado de Santa Catarina também ficou bem posicionado, sobretudo pelo grande fluxo de argentinos, principal país emissor de turistas para o Brasil. A capital Florianópolis ocupa a segunda colocação geral com 18,1% do receptivo internacional. Balneário Camboriú (5%) e Bombinhas (4,8%), destinos de sol e praia, ficaram em sétimo e oitavo lugares, respectivamente.

A lista dos destinos preferidos se completa com Foz do Iguaçu (17,3%), terceiro colocado no ranking, seguida de São Paulo (10,5%), líder quando o assunto é turismo de negócios. Salvador, com 6,2% dos visitantes, aparece na 6ª posição. Atrás do turismo de lazer estão: o turismo de negócios e eventos, que representa 25,3% e a visita a parentes e amigos, com 24,4%.

Mergulho atrai turistas estrangeiros para o Brasil

Viagem de aventura trouxe 1,2 milhão de turistas estrangeiros para o país no ano passado. O mergulho é uma das atividades mais procuradas por turistas que viajam pelo Brasil em busca de aventura. Os destinos mais procurados são Fernando de Noronha (PE), Paraty (RJ), Ilhabela (SP), Bombinhas (SC) e Recife (PE).

De acordo com o MTur, a aventura é o segundo principal motivo de viagens feitas a lazer por estrangeiros no país (21,3% da preferência dos visitantes). Em primeiro lugar está a procura por sol e praia (64,2%). A idade média do viajante aventureiro é de 34 anos e o tempo médio de viagem de aventura é de 7,5 dias, de acordo com dados da Adventure Rounddup Research / Adventure Travel trade Association.

O atributo natureza vem ganhando importância não só no Brasil, mas também em outros países. De acordo com o relatório de competitividade do Fórum Econômico Mundial, o Brasil ocupa o primeiro lugar no mundo em recursos naturais. O turismo de mergulho é uma atividade em consolidação, mas com potencial para se tornar uma das principais referências do turismo ligado à natureza.

Além do mergulho em águas marinhas, o esporte também pode ser praticado em lagoas. Para todos os casos, no entanto, é necessário fazer um curso e um mergulho experimental acompanhado por profissional da área. Mas se a ideia é praticar o mergulho sozinho, é preciso dedicar-se a aulas teóricas e exercícios práticos em piscinas ou águas abertas.

Há escolas de mergulho em todo o País. O ideal é procurar as que oferecem certificação de entidades reconhecidas internacionalmente, como o Padi (Professional Association of Diving Instructors ou Associação Profissional dos Intrutores de Mergulho, a maior certificadora de mergulho do mundo) ou PDIC (Professional Diving Instructors Corporation ou Corporação dos Instrutores Profissionais de Mergulho).

“O levantamento mostra que as pessoas têm recorrido a novas fontes de informação. Os destinos devem estar atentos a essa tendência para atrair não apenas os estrangeiros, mas o próprio brasileiro”.

Internet é fonte para 1,87 milhão de turistas estrangeiros

A Internet foi a principal fonte de informações para 1,87 milhão de turistas estrangeiros que vieram ao Brasil em 2012. Parentes e amigos sempre foram a principal fonte de informação. Em 2010, no entanto, essa realidade mudou: a rede tornou-se o principal meio para saber sobre turismo. Os dados constam no estudo da Demanda Turística Internacional 2012, realizado pelo Ministério do Turismo, em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

A Internet se diferencia dos guias de viagem e meios convencionais de promoção do turismo porque expõem a avaliação dos próprios usuários que estiveram nos hotéis, pousadas e pontos turísticos. Um dos maiores sites de viagens do mundo, o Trip Advisor, já acumulou 100 milhões de opiniões de visitantes virtuais.

Copa das Confederações e Copa do Mundo

Conforme a pesquisa do MTur, 75,8% dos visitantes internacionais que vieram para a Copa das Confederações pretendem voltar para a copa do Mundo. Ela também mostra que o turismo não se restringe às cidades-sede do torneio.

O turista internacional permaneceu 14,3 dias no país, bem acima da média do turista brasileiro (5,5 noites); se hospedou em hotéis (74,6%) e visitou dois destinos além da cidade-sede do jogo. Ao todo os visitantes estrangeiros transitaram por 132 cidades brasileiras.

“A Copa será um momento especial para apresentar o potencial turístico do país aos estrangeiros. Trabalhamos para ampliar o legado com os grandes eventos e permitir que o ganho do país após o fim do último jogo seja o maior possível”, disse o ministro do Turismo Gastão Vieira. As cidades mais visitadas por eles foram Rio de Janeiro (67,5%), Fortaleza (25,8%) e Belo Horizonte (23,3%). Fora do circuito das cidades-sede, os locais mais visitados foram Ipojuca, em Pernambuco, onde fica o destino de Porto de Galinhas (2,7%), Foz do Iguaçu, no Paraná (2,1%) e Armação de Búzios, no Rio (1,9%).

Cada estrangeiro gastou, em média, R$ 4.060 durante sua estada no país. A média geral dos entrevistados (brasileiros e estrangeiros) é de R$ 1.348 durante a viagem. as cidades que registraram o maior gasto per capita, incluindo visitantes nacionais e de fora, foram Rio de Janeiro (R$ 948,70), fortaleza (R$ 919,52) e Brasília (R$ 846,22).

As expectativas dos visitantes em relação à viagem ao Brasil, em geral, atendidas ou superadas, de acordo com declaração de mais de 70% dos entrevistados. Os itens melhores avaliados durante a viagem, mencionados espontaneamente pelos entrevistados, foram a hospitalidade do povo (32,9%), as praias e belezas naturais do país (25,6%) e os estádios (20,5%). Os estádios de modo geral foram avaliados positivamente por quase a totalidade do público.

A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) realizou 15.567 entrevistas nos estádios, sendo 2.817 de pessoas que residem na unidade federativa onde o jogo foi realizado, 11.019 brasileiros de outros estados e 1.731 estrangeiros. Também foram feitas 1.338 entrevistas com estrangeiros em aeroportos de Belo Horizonte, Fortaleza, Brasília, Salvador, Rio de Janeiro, Recife e no aeroporto internacional de São Paulo/Guarulhos.

Fonte: MTur

facebook-profile-picture

Acredito que qualquer pessoa tem a capacidade de realizar seus sonhos. Para isso, é preciso buscar informação e orientação. Esse é o meu foco principal. Ajudar os que procuram, através da capacitação, o seu desenvolvimento profissional e empresarial para alcançar os seus objetivos.

One Reply to “Quem é o turista estrangeiro que visita o Brasil”

Deixe uma resposta